quarta-feira, 30 de novembro de 2016

terça-feira, 29 de novembro de 2016

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Opinião sobre "Eu Estive Aqui" - Gayle Forman

Eu Estive Aqui
(Artigo de Opinião)


Autora: Gayle Forman
Título Original: I Was Here (2015)
Tradução: Maria João Freire de Andrade
ISBN: 978-972-23-5836-1
Nº de páginas: 256
Editora: Editorial Presença


Sinopse

      Cody fica chocada e arrasada com o suicídio de Meg, a sua melhor amiga. A pedido dos pais desta, Cody viaja até Tacoma, onde a amiga estudava, para reunir os seus pertences. Espantada, Cody descobre que Meg nunca lhe falara de inúmeros aspetos da sua vida. Por exemplo, os novos amigos, que são o tipo de pessoas com quem Meg nunca se daria antes de entrar para a faculdade, ou Ben, o vocalista de uma banda por quem a jovem se apaixonara. Porém, a sua maior descoberta ocorre quando acede ao computador de Meg e de repente tudo o que pensava que sabia sobre a morte da amiga se desmorona. Cody decide então levar esta descoberta às últimas consequências.

Este exemplar foi-me gentilmente cedido pela Editorial Presença em troca de uma opinião sincera


Opinião

       Começo por agradecer à Editorial Presença pelo gentil envio do livro.

       Nunca tinha lido nada de Gayle Forman, mas após o grande sucesso do livro "Se Eu Ficar", foi com grandes expectativas que parti para a leitura de "Eu Estive Aqui".

       É através de uma mensagem enviada por e-mail que Cody Reynolds recebe a notícia do suicídio da sua melhor amiga, Meg Garcia. E, por incrível que pareça, esta tragédia que apanhou Cody de surpresa havia sido planeada ao mais ínfimo pormenor por Meg: desde as cartas para os pais e para a polícia enviadas com um atraso, até à gorjeta para a empregada do motel que a encontraria. Toda esta meticulosidade de Meg na preparação da sua morte, juntamente com o facto de não ter percebido o que se passava com ela, deixam Cody bastante perturbada.

       Uma relação distante com a mãe e a necessidade de afeto e conforto, que só uma família lhe poderia oferecer, ditaram que a maior parte da infância e adolescência de Cody fossem passados em casa dos Garcia. Necessitada de um exemplo e feliz por viver na sombra de Meg, Cody sempre viu na amiga o melhor de si própria, um ídolo, alguém perfeito. Os desejos e os caprichos de Meg rapidamente se tornavam os de Cody, e quando a primeira decidiu que queria sair da pequena cidade onde viviam, a segunda também adotou esse sonho como seu. Mas as circunstâncias mudaram, e Cody viu-se presa num lugar onde nada acontecia, sem quaisquer perspetivas para o futuro, enquanto a amiga partia para estudar com uma bolsa integral numa universidade prestigiada.

        O tempo passou e a distância foi-se impondo, enquanto o contacto diminuía, E é com a morte de Meg que Cody se apercebe que, afinal, não sabia nada do que se passava na sua nova vida, com os seus novos amigos e prioridades. Um e-mail na caixa de correio eletrónico de Meg despoleta em Cody uma busca incessante pela verdade, ao mesmo tempo que luta por não ceder à tentação de se deixar ir e se tenta redescobrir como ser individual.

     Cody é o tipo de personagem do qual pode ser difícil gostar à primeira - a maneira como tenta lidar com o sofrimento de uma forma mais desapegada e calculada, num esforço por proteger as suas emoções, podem levar o leitor a pensar que realmente não se importa. Mas a verdade é que Cody cresceu num ambiente familiar desestruturado, com falta de um modelo parental a seguir, sem esperanças ou objetivos próprios. E, apesar das adversidades da vida, luta com resignação pela verdade que lhe permitirá começar a sarar as feridas do passado. A força e a determinação de Cody foram as características de que mais gostei nela: por mais que lhe custe continuar e por maior que seja o obstáculo ou a provação a superar, não baixa os braços e não desiste. Culpa-se, indevidamente, pela morte da amiga, e parte à procura da redenção, preparada para levar a sua busca às últimas consequências.

     As personagens de "Eu Estive Aqui" não são nem têm vidas perfeitas. Têm defeitos e cometem muitos erros, mas vão aprendendo o que a vida lhes ensina, evitando recair em caminhos mal percorridos. Foi interessante ver o drama amplificado pelo facto de ocorrer numa pequena cidade, onde todos se conhecem e têm um parecer a emitir sobre a vida dos outros. As marcas que a morte de Meg deixa na sua família e nos seus amigos mostram como é fácil vacilar neste tipo de situações

     A autora cai, de certa forma, num romance algo clichê e previsível, mas do qual não consegui deixar de gostar. A aproximação dos dois foi forçada pelas circunstâncias, mas a relação entre eles não foi imediata: foi-se construindo à medida que caminhavam juntos sobre o limbo, entre várias discussões e amuos. Unia-os o ambiente em que cresceram, a necessidade de afeto e o facto de ambos estarem vulneráveis com a perda, mas também a culpa que acalentavam por uma morte autoimposta.

      A frieza e o calculismo de Meg ao preparar o seu fim são algo chocantes, mas alertam o leitor para o facto de que estas situações não são puramente fictícias: acontecem de facto, e é preciso estar alerta aos sinais dados pelas pessoas que nos rodeiam - seja através uma palavra não dita ou de uma atitude dissonante.

    A seriedade e atualidade dos temas, e a forma suave e, simultaneamente, dura como são abordados, conseguiram cativar-me. O tema é pesado e ainda algo controverso, mas a leitura consegue, mesmo assim, desenrolar-se de forma fluída e agradável. A escrita de Gayle tem o poder de embalar o leitor na história, de o fazer querer saber mais e acompanhar as personagens. Gostei da forma como a autora pegou em algo intenso e difícil, e fez algo bonito.


     Gostei especialmente da nota da autora, no final do livro, em que fala da pessoa que a inspirou para escrever "Eu Estive Aqui", e onde deixa um alerta ao leitor sobre a depressão, o suicídio e os grupos que o incentivam, e o que fazer se se encontrar numa posição semelhante à de Meg ou à de Cody.

     Este é um livro que nos faz refletir sobre até que ponto conhecemos bem os nossos amigos e conseguimos identificar neles sinais de alerta. Mas é também a jornada de uma rapariga fragilizada pela perda, que se tenta redimir de uma culpa que não lhe pertence. "Eu Estive Aqui" mostra-nos o quão ténue pode ser a linha entre a vida e a morte, e a força que é necessária para se decidir viver. Gostei bastante!


 Música que aconselho para acompanhar a leitura: Noah Cyrus ft Labrinth_Make Me (Cry)

Citação do Dia - 28 de novembro de 2016

"Não pode haver ligação de almas onde não exista identidade de ideias, de crenças e de costumes."
Eça de Queiroz

domingo, 27 de novembro de 2016

Novidade da Chá das Cinco - "Último Amor" (Trilogia Hotel das Recordações #2)

Novidade da Chá das Cinco


Último Amor
(Trilogia Hotel das Recordações #2)


De Nora Roberts


Sinopse:


     Owen é o gestor do clã Montgomery e dirige o negócio de família com uma mão de ferro e uma folha de cálculo inflexível. E embora os seus irmãos passem a vida a repreendê-lo pela gestão obsessiva, a verdade é que o Hotel Boonsboro está prestes a ser inaugurado na data prevista. A única coisa que não foi planeada por Owen chama-se… Avery MacTavish.

    A popular pizaria de Avery é mesmo do outro lado da rua, o que lhe permite ser testemunha da fantástica renovação do hotel – e apreciar o trabalho admirável de Owen. O facto de ele ter sido o seu primeiro namorado na adolescência só torna a situação mais interessante. Sem saber como, sente uma nova atração nada inocente a despertar por ele.

    À medida que Avery e Owen iniciam um novo patamar na sua relação, a inauguração do hotel é pretexto para toda a cidade entrar em celebração. Mas o trabalho de Owen está longe de terminado.
Avery tão cedo não irá baixar a guarda, nem perceber que o seu primeiro amor poderá bem ser o último…

Livro dois da Trilogia Hotel das Recordações

    Com mais de 200 milhões de cópias vendidas em todo o mundo e cerca de 90 bestsellers na lista do New York Times, Nora Roberts foi a primeira autora a ser convidada para o Romance Writers of America Hall of Fame. Nascida em Silver Spring, Maryland, é a mais nova de cinco filhos e vive em Keedysville, onde continua a escrever.


Opinião da Imprensa:

"Uma trilogia emocionalmente envolvente, excecionalmente divertida e contemporânea."_Booklist

"Maravilhoso e gratificante do início ao fim."_Rocky Mountain News




Citação do Dia - 27 de novembro de 2016

"A carne é cinza, a alma é chama."
Victor Hugo

sábado, 26 de novembro de 2016

Citação do Dia - 26 de novembro de 2016

"Sinto frio na alma; não sei com que me agasalhar. Para o frio da alma não há manto nem capa, quem o sente não se esquece."
Fernando Pessoa

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

#46 - Resultado do Passatempo: "Corações Na Escuridão" - O Castor de Papel

Embora já com algum atraso, é com grande satisfação que finalmente publico o resultado do passatempo realizado em parceria com a editora O Castor de Papel - o sorteio de um exemplar do livro "Corações Na Escuridão", de Laura Kaye!





Este sorteio contou com 228 participações e o vencedor foi escolhido através do site random.org. E o número vencedor é o...

  


...2! Que corresponde à participação de Clara (...) Duarte, de Santa Marta Pinhal.

Parabéns à vencedora! Já foi enviado um e-mail para confirmar os dados do envio do prémio.

Citação do Dia - 24 de novembro de 2016

"O meu mundo não é como o dos outros, quero demais, exijo demais, há em mim uma sede de infinito, uma angústia constante que eu nem mesmo compreendo, pois estou longe de ser uma pessimista; sou antes uma exaltada, com uma alma intensa, violenta, atormentada, uma alma que se não sente bem onde está, que tem saudades... sei lá de quê!"
Florbela Espanca

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Citação do Dia - 22 de novembro de 2016

"Eu definiria o efeito poético como a capacidade que um texto oferece de continuar a gerir diferentes leituras, sem nunca se consumir de todo."
Umberto Eco

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Opinião sobre "Nunca Perdoar, Nunca Esquecer" (Kick Lannigan #1) - Chelsea Cain

 Nunca Perdoar, Nunca Esquecer
(Kick Lannigan #1)
(Artigo de Opinião)


Autora: Chelsea Cain
Título Original: One Kick (2014)
Tradução: Rui Azeredo
ISBN: 978-989-637-986-5
Nº de páginas: 320
Editora: Saída de Emergência


Sinopse

      Kick Lannigan, 21 anos, é uma sobrevivente. Raptada aos seis anos, a família, a polícia, bem como a comunidade, assumiram que o pior tinha acontecido. Mas é encontrada viva seis anos depois. Submetida a toda uma série de terapias para a ajudar a superar o trauma, é só quando canaliza as suas forças e raiva para a luta que Lannigan se sente melhor. Aos 13 anos, começa a aprender todo o tipo de artes marciais e técnicas de luta, jurando que nunca mais voltará a ser vítima.


     Quando duas crianças desaparecem na área de Portland, Kick é abordada por um enigmático homem de nome Bishop que a convence de que a sua experiência e habilidades podem ajudar a salvar as vítimas. Mal sabe ela que o caso irá desvendar o seu próprio passado aterrorizador…

Este exemplar foi-me gentilmente cedido pela Saída de Emergência em troca de uma opinião sincera


Opinião

       Começo por agradecer à Saída de Emergência pelo gentil envio do livro.

       "Nunca Perdoar, Nunca Esquecer" é o primeiro livro de uma série que se adivinha promissora, e na qual espero que a Saída de Emergência continue a apostar! Se, logo à partida, achei a sinopse prometedora, garanto que o livro conseguiu superar largamente as minhas expetativas!

       Kick Lannigan foi raptada com apenas seis anos e, ao fim de outros seis em cativeiro, é salva por acaso numa operação do FBI. Dez anos depois do seu resgate, Kick é uma jovem que procurou superar o trauma através da aprendizagem de todo o tipo de artes marciais e do manuseamento de armas - todos os recursos e técnicas de autodefesa que a fizessem sentir-se segura novamente. Porém, apesar de Kick ser uma mulher forte e determinada, o tempo que passou em cativeiro e as atrocidades a que foi submetida durante esse período deixaram mazelas na sua personalidade.

    Atormentada por um erro que cometeu no passado, Kick dedica-se a procurar crianças desaparecidas, seguindo todas as pistas que consegue com a ajuda do irmão, James. E é então que conhece Bishop, um misterioso homem que a convence a usar a sua experiência para salvar duas crianças que desapareceram na área de Portland, e cujos raptos ele suspeita poderem estar relacionados com pessoas que Kick conheceu quando estava sob a alçada de Mel - o seu raptor.

     Kick é uma protagonista bastante sólida, de quem gostei não apenas por pena ou compaixão, mas pelo lado sobrevivente que desenvolveu. É uma jovem presa numa constante luta interior para vencer os seus demónios e para transparecer a aparência dura e forte que deseja, sendo, simultaneamente, um exemplo de força, coragem e vulnerabilidade. O livro é narrado na terceira pessoa, mas sob a perspetiva de Kick, dando acesso a alguns dos seus pensamentos mais profundos. Este relato permite compreender a forma como, passados dez anos, a experiência traumática a que foi submetida continua a marcá-la - alguns episódios desencadeiam ainda em Kick estados de apatia e flashbacks. Gostei muito destes "regressos ao passado", uma vez que retratam a forma como um raptor consegue, através do medo, manipular e formatar a mente das vítimas.

     Bishop é uma personagem enigmática: não sabemos o seu verdadeiro nome, para quem trabalha ou quais os interesses ou princípios que o movem, e isso acaba por dar ainda mais ímpeto à história. Cria curiosidade através da dúvida, pois por diversas vezes me questionei qual o seu real propósito e o que pretendia de Kick.

     Gostei da relação que a autora criou entre Kick e Bishop: não há romance aberto neste livro. Na verdade, a relação entre os dois é, na maior parte do tempo, bastante áspera, e é quase frustrante ver a forma (quase) desinteressada como interagem. Porém, é expectável que, em futuros livros, esta "inimizade" evolua para algo mais. Mesmo assim, a tensão entre os dois acaba por aliviar um pouco o clima principal.

      A autora aborda temas sérios e delicados como o rapto de crianças e a pornografia infantil de uma forma impactante, conseguindo despertar as emoções do leitor sem necessitar de recorrer a descrições mais chocantes e violentas. De facto, apesar de as descrições das personagens e dos acontecimentos serem muito fiéis à realidade, fazendo despontar os sentimentos certos nos momentos certos, não encontramos pormenores mais gráficos e/ou perturbadores - o que, na minha opinião, se traduz num ponto positivo.

     A trama é, tal como a temática em que assenta, bastante complexa. É uma história intensa que, inevitavelmente, abala o leitor. A realidade retratada neste livro é bastante dura e, como tal, alguns trechos são naturalmente mais pesados e angustiantes. As personagens estão extremamente bem construídas: são quase humanas - complicadas e com defeitos. Kick, Bishop e James conseguiram cativar completamente a minha atenção, e até Mel foi uma personagem que despertou em mim sentimentos ambíguos. Adorei a forma como a autora jogou constantemente com as personagens e com os dados.

    Também gostei bastante do estilo de Cain: é limpo, claro, apesar do relato em si ser subjetivo. Chelsea consegue criar verdadeira tensão nos momentos em que esta é exigida, e mantém o suspense com grande mestria. Aliás, o crescendo de suspense que acompanha o leitor durante obra confere à leitura um ritmo célere e vertiginoso, tornando-se difícil pousar o livro antes de o acabar.

      Embora tenhamos um final para o caso dos raptos, a verdade é que o desfecho da história de Kick e Bishop é muito aberto, com muitas questões que ficam ainda por responder - e que, possivelmente, terão solução nos próximos volumes da série. No entanto, as revelações que vislumbrámos no último capítulo serviram apenas para me deixar com ainda mais vontade de ler a continuação!

    "Nunca Perdoar, Nunca Esquecer" foi uma leitura intensa e compulsiva, e um fantástico primeiro volume, com a dose certa de todos os componentes que fazem um bom thriller. Um livro que adorei e uma série que quero acompanhar!


 Música que aconselho para acompanhar a leitura: Take Me To Church_Hozier

Citação do Dia - 21 de novembro de 2016

"Os críticos podem dizer que determinado poema, longamente ritmado, não quer, afinal, dizer senão que o dia está bom. Mas dizer que o dia está bom é difícil, e o dia bom, ele mesmo, passa. Temos pois que conservar o dia bom em memória florida e prolixa, e assim constelar de novas flores ou de novos astros os campos ou os céus da exterioridade vazia e passageira."
Fernando Pessoa

domingo, 20 de novembro de 2016

sábado, 19 de novembro de 2016

Citação do Dia - 19 de novembro de 2016

"Quem não souber povoar a sua solidão, também não conseguirá isolar-se entre a gente."
Charles Baudelaire

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Divulgação: "Despedaçada" (Broken #1)

Publicado pela Chiado Editora

Despedaçada
(Broken #1)


De Tânia Dias


Sinopse:


     Assumir o seu papel como líder não estava nos planos de Alexia White, mas quando a sua mãe perde a vida num terrível assalto ao castelo, ela vê-se sem opções. 

      Num mundo onde os fracos se distinguem dos fortes pelos dons que possuem, Alexia está no topo da lista e precisa de aprender a lidar com os seus dons se pretende recuperar Starnyz das garras do traidor. Ian Bealfire, um homem que exala arrogância e prepotência por todos os poros, parece disposto a ocupar o lugar de seu Mestre. 

    Há quem diga que a jovem está destinada a salvar o mundo mas despedaçada pelas perdas que sofreu e assombrada pelas memórias do passado, será mesmo capaz de o fazer, quando nem a si parece ser capaz salvar?

Serás capaz de enganar o destino?

    "Olá! 

    Obrigado por estares a perder tempo a ler factos aborrecidos sobre mim! 

    Neste momento estou a estudar ciências, gostava de ser uma grande cientista um dia e descobrir a cura para todas as doenças.

    Sou uma rapariga de 17 anos com uma paixão enorme por livros que viveu mais aventuras do que aquelas que consegue contar. Já se apaixonou por um vampiro, caçou sombras e lutou numa arena juntamente com outros 23 tributos, viveu numa sociedade dividida em fações e ficou perdida num labirinto, tendo sido salva por um anjo. 

    A minha paixão por escrita começou há alguns anos atrás quando os mundos que existiam na minha cabeça quiseram saltar para fora. 

   Por acaso tive a sorte de realizar um dos meus maiores sonhos e tornar-me uma autora com Despedaça (Broken) a minha primeira obra publicada."


Citação do Dia - 18 de novembro de 2016

"Conhecimento é poder."
Thomas Hobbes

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

terça-feira, 15 de novembro de 2016

Novidade da Editorial Presença - "Eu Estive Aqui"

Novidade da Editorial Presença

Eu Estive Aqui




De Gayle Forman



Sinopse:


   Cody fica chocada e arrasada com o suicídio de Meg, a sua melhor amiga. A pedido dos pais desta, Cody viaja até Tacoma, onde a amiga estudava, para reunir os seus pertences. Espantada, Cody descobre que Meg nunca lhe falara de inúmeros aspetos da sua vida. Por exemplo, os novos amigos, que são o tipo de pessoas com quem Meg nunca se daria antes de entrar para a faculdade, ou Ben, o vocalista de uma banda por quem a jovem se apaixonara. Porém, a sua maior descoberta ocorre quando acede ao computador de Meg e de repente tudo o que pensava que sabia sobre a morte da amiga se desmorona. Cody decide então levar esta descoberta às últimas consequências. 

"Eu Estive Aqui" é o novo romance de Gayle Forman, autora do bestseller internacional "Se Eu Ficar"

     Gayle Forman é uma autora premiada e uma jornalista cujos artigos foram já publicados na Cosmopolitan, Seventeen e Elle, entre outras revistas. É autora dos livros Se Eu Ficar, Espera Por Mim, Apenas Um Dia e Apenas Um AnoSe Eu Ficar foi considerado pela Amazon e pela Publishers Weekly um dos melhores livros juvenis aquando da publicação, tendo sido adaptado ao cinema. Os direitos de Eu Estive Aqui foram vendidos para mais de 20 países. Gayle Forman vive em Brooklyn com a família.


Opinião da Imprensa:

"Um romance comovente sobre lidar com a perda."_People 

"Tal como em Se Eu Ficar, Gayle Forman dá-nos uma análise introspetiva da linha que divide a vida e a morte, bem como da coragem necessária para resistir."_Publishers Weekly

"Uma escrita de rara beleza."_Entertainment Weekly

"Um retrato belo e doloroso da rejeição e do amor reacendido."_USA Today

Para mais informações sobre o livro Eu Estive Aqui, clique aqui.

Citação do Dia - 15 de novembro de 2016

"A vida é muito curta para ser pequena."
Benjamin Disraeli

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Novidades da Editorial Presença para Novembro

"A Química", de Stephenie Meyer

Neste thriller empolgante, uma ex-funcionária perseguida pela agência governamental para a qual trabalhava tem de executar uma última missão para limpar o seu nome e salvar a sua vida.

Ela trabalhava para o governo dos EUA, mas poucos sabiam disso. Considerada uma especialista, era um dos elementos mais ocultos de uma agência tão secreta que nem sequer tem nome. Quando entenderam que a sua ex-funcionária os punha em perigo, tomaram de imediato a decisão de a perseguir.


Agora, ela tem de mudar constantemente de lugar e de identidade. Os seus perseguidores mataram a única pessoa em quem confiava, mas as informações secretas que guarda são uma ameaça. Quando o seu antigo supervisor lhe propõe uma alternativa para sair desta situação, ela crê estar perante a única oportunidade de escapar. Para tal, terá de aceitar uma última missão para a agência. 
Decidida a lutar, prepara-se para o confronto mais difícil da sua vida, mas dá por si apaixonada por um homem que apenas complica as suas possibilidades de sobrevivência.


A Química é romance de tensão permanente. Stephenie Meyer, autora da saga «Crepúsculo», criou uma nova heroína determinada, fascinante e com talentos únicos, demonstrando mais uma vez o que a leva a ser uma das autoras mais admiradas da atualidade.


Para mais informações sobre o livro A Química, clique aqui.

"Nome de Código: Leoparda", de Ken Follett

A duas semanas do Dia D, a Resistência Francesa planeia um ataque crucial ao maior centro de comunicações das tropas alemãs, instalado num antigo castelo em Sainte-Cécile. Na liderança desta missão está uma das mais valiosas agentes das operações especiais britânicas, Flick Clairet. A investida acaba por falhar e ter consequências devastadoras, deixando os alemães de sobreaviso. Abalada pelas baixas sofridas, a confiança de Flick começa a fraquejar. 

Impõem-se medidas drásticas. Flick sugere um plano arrojado: formar uma equipa exclusivamente feminina, as Gralhas, e infiltrarem-se no castelo disfarçadas de empregadas de limpeza.Entretanto, os alemães têm acesso a informações cruciais e já escolheram o seu alvo - a própria Flick.


Arriscada e repleta de imprevistos, o sucesso da operação dependerá de quem souber esconder melhor os seus segredos. Nome de Código: Leoparda é mais um romance de Ken Follett, pleno de aventura e emoção.

Para mais informações sobre o livro Nome de Código: Leoparda, clique aqui.

"Eu Estive Aqui", de Gayle Forman

Cody fica chocada e arrasada com o suicídio de Meg, a sua melhor amiga. A pedido dos pais desta, Cody viaja até Tacoma, onde a amiga estudava, para reunir os seus pertences. Espantada, Cody descobre que Meg nunca lhe falara de inúmeros aspetos da sua vida. Por exemplo, os novos amigos, que são o tipo de pessoas com quem Meg nunca se daria antes de entrar para a faculdade, ou Ben, o vocalista de uma banda por quem a jovem se apaixonara.

Porém, a sua maior descoberta ocorre quando acede ao computador de Meg e de repente tudo o que pensava que sabia sobre a morte da amiga se desmorona. Cody decide então levar esta descoberta às últimas consequências. Eu Estive Aqui é o novo romance de Gayle Forman, autora do bestsellerinternacional Se Eu Ficar.





Para mais informações sobre o livro Eu Estive Aqui, clique aqui.


Para mais informações consulte o site da Editorial Presença aqui.

Citação do Dia - 14 de novembro de 2016

"A vida é uma simples sombra que passa (...); é uma história contada por um idiota, cheia de ruído e de furor e que nada significa."
William Shakespeare

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

#47 - Passatempo: "Grey" - JB Cash & Carry

     Em parceria com a JB Cash & Carry, temos um novo passatempo no blogue: o sorteio de um exemplar do livro "Grey", de E. L. James!

Sobre a JB Cash &  Carry:
     

    "A JB é uma empresa 100% portuguesa, no mercado desde 1998, trabalhando exclusivamente para revenda.
   Está sediada em Vila do Conde e comercializa artigos de oito áreas de negócio dispondo de dois serviços distintos: E-commerce e Cash&Carry. Pela diversidade de produtos e de serviço, a JB apresenta-se como a única solução no nosso setor a reunir esta diversidade de oferta.

Mais informação em www.jbnet.pt/quem-somos/sobre-nos."







Para que se possa habilitar a ganhar este livro que temos para oferecer, apenas tem de:

- Fazer gosto na página da JB Cash & Carry no Facebook (aqui);
- Fazer gosto na página do Dream Pages no Facebook, aqui;
- Seguir publicamente o blogue;

- Seguir o blogue no Instagram (aqui) dá duas entradas extra;
- Partilhar publicamente o passatempo dá uma entrada extra;
- Seguir o perfil do blogue no Goodreads (aqui) dá uma entrada extra;

- Só participar uma vez (se não cumprir esta regra, a sua participação será anulada);
- Preencher todos os dados corretamente e acerta na pergunta colocada.

Agora é só participar!

O passatempo termina no dia 26 de novembro às 23h59. As participações após esta data não serão válidas.


Notas:
- O passatempo é feito em parceria com a JB Cash & Carry;
- O vencedor será escolhido aleatoriamente através do site random.org;
- O vencedor será contactado por e-mail e será anunciado no blogue e na página do Facebook;
- Este passatempo só é válido para Portugal continental e ilhas;
- O blogue e a JB Cash & Carry não se responsabilizam pelo possível extravio do prémio nos correios.

Citação do Dia - 11 de novembro de 2016

"A vida de uma pessoa não é o que lhe acontece, mas aquilo que recorda e a maneira como o recorda."
Gabriel García Márquez

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Novidades da Bertrand para Novembro

"O Código Da Vinci", de Dan Brown

O Código da Vinci, de Dan Brown, é um dos romances mais lidos de todos os tempos, e agora chega numa versão dirigida a um público mais jovem (young adult). O livro chegou este mês de novembro às livrarias, apresentando uma capa adaptada e mais apelativa a estes leitores, e com um texto adaptado a partir do original, mas mantendo inalterada a sua estrutura base.

Esta edição inclui ainda mais de vinte fotos coloridas que mostram os locais e as obras de arte mais marcantes da narrativa.

O segmento young adult tem vindo a ganhar cada vez maior destaque no universo literário, sendo atualmente uma das tendências que desperta maior interesse no mercado.

O Código da Vinci nesta versão para jovens tem todos os ingredientes, à semelhança da sua versão original, para prender a atenção desde o primeiro momento de leitura. Robert Langdon e a criptologista Sophie Neveu partem numa corrida contra o tempo e a maior conspiração dos últimos dois mil anos está prestes a ser revelada a uma nova geração.

"SPQR", de Mary Beard

Roma Antiga era uma cidade imponente até para os padrões modernos, uma metrópole imperial com mais de um milhão de habitantes, uma mistura de luxo e de lixo, de liberdade e de escravatura, de respeito e guerra civil. Foi o centro de poder de um império que se estendia da Península Ibérica à Síria.

S.P.Q.R. («o Senado e Povo de Roma») narra a ascensão inédita de uma pequena aldeia no centro da Itália, a capital de uma civilização que, dois mil anos depois, ainda molda muitas das nossas conceções de poder, cidadania, responsabilidade e beleza. Questiona a forma como pensamos os romanos e explora o modo como os romanos se viam a si mesmos: como lidavam com o terrorismo e com a revolução, como encaravam as migrações e a mobilidade social e como inventaram um novo conceito de cidadania e de nação. É uma história surpreendente, eloquente e incontornável de Roma Antiga.



"A Ira das Fúrias", de Steven Saylor

No ano de 88 a.C., o mundo inteiro parece estar em guerra. No Ocidente, os estados italianos rebelam-se contra Roma; no Oriente, Mitrídates marcha, conquistando as províncias asiáticas romanas. Até mesmo em Alexandria, que continua relativamente calma, um golpe de estado levou ao poder um novo faraó, instalando o caos nas ruas.

O jovem Gordiano espera, com Bethesda, o fim do caos em Alexandria, mas recebe uma mensagem cifrada do seu antigo tutor e amigo, Antípatro. Agora em Éfeso, como membro da comitiva de Mitrídates, Antípatro está convencido de que a sua vida se encontra em perigo iminente.

Para o salvar, Gordiano concebe um esquema ousado e astuto para se pôr «atrás das fileiras dos inimigos» e deixar Antípatro em segurança – porém, poderosas forças mortais têm os seus próprios planos para Gordiano. Não sabendo bem se ele próprio é um decisor ou um peão, o jovem terá de desvendar o mistério oculto na mensagem para se poder salvar a si e à pessoa que lhe é mais querida.


"Sangue Infernal", de James Rollins e Rebecca Cantrell


Enquanto uma escalada de homicídios assola o globo, a arqueóloga Erin Granger tem de decifrar a verdade por detrás de uma profecia imortal narrada no Evangelho de Sangue, um livro escrito por Jesus Cristo que esteve perdido durante séculos.

Na iminência do Apocalipse, Erin tem novamente de unir esforços a Jordan Stone, sargento do exército, e ao padre Rhun Korza. Juntos irão procurar um tesouro perdido há milénios. A demanda pela chave da salvação leva-os a atravessar o globo e os séculos, desde as prateleiras empoeiradas dos arquivos secretos do Vaticano até laboratórios medievais perdidos, onde alquimias antigas eram usadas com fins tenebrosos. Durante todo este tempo, são perseguidos por criaturas de uma astúcia e um talento insólitos.

À medida que as pistas vão sendo desenterradas de capelas subterrâneas e cavernas de gelo, Erin vai-se apercebendo de que a única hipótese de serem bem-sucedidos reside num ato impensável: confrontar o próprio Lúcifer.

Com O Evangelho de Sangue, o primeiro livro da série, os autores unira, a ciência, o mito e a religião, para nos apresentarem um mundo em que os milagres ganham novo significado e a luta entre o bem e o mal é bem mais complicada do que alguma vez poderíamos imaginar. Agora, nesta brilhante conclusão da série, somos conduzidos ao próprio Inferno e obrigados a enfrentar os nossos piores medos e a derradeira questão: qual é o preço que pagaríamos pela salvação?


"Hotel Vendôme", de Danielle Steel


O hotel era velho, estava em mau estado. Mas para Hugues Martin, hoteleiro de origem suíça, ele é um diamante em bruto escondido numa rua sossegada de Nova Iorque. Por isso, junta todas as migalhas que consegue para comprar o edifício e transformá-lo num dos hotéis mais luxuosos do mundo.

Não tarda que o serviço e a discrição do Hotel Vendôme conquistem uma excelente reputação. É o refúgio ideal para os ricos e famosos e o lar perfeito para a família de Hugues, até que a sua jovem esposa o abandona e deixa a filha de quatro anos de ambos ao seu cuidado. Apesar disso, Heloise cresce feliz no meio de celebridades, gente da sociedade, políticos, viajantes internacionais e os inúmeros empregados do hotel, que a adoram.

À medida que os anos passam e surgem desafios inesperados, Hugues e o hotel continuam a ser o centro da vida de Heloise. É seu desejo seguir os passos do pai e um dia vir a gerir o Hotel Vendôme. As lições que ela aprende com ele vão ajudá-la pela vida fora, iluminando uma história inesquecível.

Bem-vindos ao Hotel Vendôme.


"A Outra Metade de Mim", de Affinity Konar


Pearl tem a seu cargo o triste, o bom, o passado. Stasha fica com o divertido, o futuro, o mau. Estamos em 1944. As meninas foram enviadas para Auschwitz com a mãe e o avô. Pearl e Stasha Zamorski, gémeas judias da Polónia, refugiam-se no seu próprio mundo, reconfortando-se com a linguagem secreta que partilham e as brincadeiras da infância, no meio da loucura da Segunda Guerra Mundial. Mas este refúgio é ameaçado quando caem sobre a asa de Josef Mengele, o anjo da morte de Auschwitz. Na qualidade de cobaias do célebre Zoo de Mengele, as meninas vivem privilégios e horrores desconhecidos dos demais. Convicta de que uma participação voluntária irá salvar a sua família,

Stasha deixa que Mengele faça dela sua mascote. Horrorizada com isto, Pearl dedica-se ainda mais ao bem-estar da irmã naquele clima de brutalidade e horror. Quando Pearl desaparece durante um concerto organizado por Mengele no inverno de 1944, Stasha sofre, mas não deixa de acreditar que a sua gémea continua viva. Depois da libertação de Auschwitz, ela e o seu companheiro Feliks, um rapaz que jurou vongar o seu próprio gémeo, atravessam toda a devastação da Polónia em busca do médico nazi, que Stasha acredita ter a capacidade de trazer Pearl de volta. Nesta viagem marcada pelo perigo e pela esperança, vão descobrindo o que aconteceu ao mundo, ao mesmo tempo que tentam imaginar um qualquer futuro possível.


"A  Morte Usa Uma Máscara de Beleza", de Mary Higgins Clark



Em 1974, Mary Higgins Clark começou a escrever uma novela inspirada no mundo da moda nova-iorquino. Interrompeu-
a para escrever o seu primeiro romance, Onde Estão as Crianças?, que a projetou para o sucesso internacional.

Quarenta anos mais tarde, a autora regressa a essa novela para a concluir e surpreender todos mais uma vez com o seu talento ímpar como contadora de histórias.

Desde o seu primeiro conto publicado a histórias clássicas onde figuram algumas das personagens mais inesquecíveis da autora, A Morte Usa Uma Máscara de Beleza é uma primorosa coleção de contos que nos emociona e nos deixa o coração a bater mais depressa, como é característico da Rainha do Suspense.

Citação do Dia - 10 de novembro de 2016

"Antes, a questão era descobrir se a vida precisava de ter algum significado para ser vivida. Agora, ao contrário, ficou evidente que ela será vivida melhor se não tiver significado."
Alberts Camus

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Novidade da Chiado Editora

"Terceira Solidão", de Marta Cruz Machado

UM OLHAR SOBRE A SOLIDÃO NA TERCEIRA IDADE

Este livro fala-nos de uma realidade incontornável, a Terceira Idade.

A solidão e a tristeza, tantas vezes inerentes a esta faixa etária, são aqui substituídas pelo diálogo e pela partilha. Para um idoso, ter alguém que lhe dê atenção tem muitas vezes um efeito terapêutico. Conversar e partilhar são um bálsamo para quem está só.

Um livro intimista, com um desfecho muito emotivo, que nos leva à reflexão.

«“Está lá?”. Identifiquei-me e surgiu o habitual e agradável cumprimento: “Como vai a menina e moça?”. (...) Foi assim entre a História e a Geografia de Portugal e do Mundo que decorreram 30 minutos de conversa, chegou a hora de nos despedirmos, trocámos o habitual bem-haja e... até ao próximo contacto!»

Citação do Dia - 09 de novembro de 2016

"Quem ama a vida é amado por ela."
Artur Rubinstein

terça-feira, 8 de novembro de 2016

Novidades da Marcador para Novembro

"Marte", de Leonard David

O LIVRO OFICIAL DA SÉRIE DA NATIONAL GEOGRAPHIC MAIS IMPORTANTE SOBRE MARTE JAMAIS REALIZADA

Com prefácio de Ron Howard

De todos os planetas no sistema solar, nenhum outro cativou a nossa imaginação colectiva como Marte, a próxima paragem na nossa jornada interplanetária através do cosmos. Naves espaciais já aterraram nele, transmitindo imagens inesquecíveis da paisagem árida e misteriosa que esperamos explorar dentro de alguns anos. Agora, para todos aqueles que anseiam saber mais, a National Geographic e o veterano jornalista espacial Leonard David trazem-nos uma exploração visual do nosso futuro em Marte.

Como irão os humanos adaptar-se a uma gravidade inferior a um terço daquela que é sentida na Terra, a uma atmosfera com pouco oxigénio e aos níveis elevados de radiação com que o Sol bombardeia o planeta? Que género de habitações poderão ser construídas a partir dos materiais que encontraremos lá? Como iremos responder psicologicamente aos rigores da vida marciana – incluindo o conhecimento de que não poderemos viajar facilmente de volta a casa? E se encontrarmos lá vida?

Companheira da inovadora mini-série televisiva homónima de seis episódios do National Geographic Channel, esta obra inteligente, estimulante e inspiradora desvenda as novas e corajosas ciências e tecnologias que lançarão a raça humana para o seu glorioso futuro interplanetário.


"O Programa Segue Dentro de Momentos", de Júlio Isidro
Tinha tudo para não ser o que é, mas é!

Ao longo de umas centenas de páginas ilustradas com outras centenas de fotografias, Júlio Isidro conta de onde veio, o que tem feito, com quem se deu, e deixa em aberto para onde vai. Por essa razão esta autobiografia se chama O Programa Segue Dentro de Momentos.

Com uma escrita tão coloquial quanto a sua forma de se expressar na rádio ou em televisão, Júlio Isidro conta-nos estórias onde tantos dos seus leitores se irão também reencontrar.

Fala de si, mas sobretudo recorda os artistas de todas as áreas com quem se tem cruzado neste já muito mais de meio século de ofício de comunicar. Num registo de algum sarcasmo saudável sobre si próprio, diz-nos que, sendo um artífice sério no seu trabalho, não se leva a sério nos efeitos secundários do vedetismo e do estrelato.

Este livro não tem azedume, não acerta contas com ninguém, não transparece despeito e revela muito respeito pelos companheiros de estrada e pelo público.

"A Minha Professora", de Maria Inês Almeida

UM LIVRO PARA OFERECER À PROFESSORA, PARA LER COM OS PAIS OU PARA APRENDER A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA

As professoras e os professores dão-nos a chave para compreendermos o que nos rodeia e o que está dentro de nós.

Há professoras e professores que nos marcam para a vida e a quem estaremos para sempre agradecidos. Não só porque nos ensinaram a ler palavras como «mãe» ou «amor», a escrever «sorriso» e «felicidade», mas porque nos ajudaram a perceber melhor o mundo que nos rodeia, como funciona a natureza e o corpo humano, a descobrir que os pássaros voam para sul no inverno, que as árvores dão flores na primavera, que o nosso planeta azul gira à volta do Sol.

Este livro é como a resposta ao desafio de uma composição na sala de aula: «Como é o teu professor?» O resultado é uma viagem, ilustrada, pela realidade e pela imaginação, são palavras e desenhos, verdade e gratidão.

É uma recordação e um álbum das boas memórias dos anos na escola que ficará para toda a vida.

Citação do Dia - 08 de novembro de 2016

"Estou cansada, cada vez mais incompreendida e insatisfeita comigo, com a vida e com os outros. Diz-me, porque não nasci igual aos outros, sem dúvidas, sem desejos de impossível? E é isto que me traz sempre desvairada, incompatível com a vida que toda a gente vive..."
Florbela Espanca

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Opinião sobre "O Hotel das Recordações" (Trilogia Hotel das Recordações #1) - Nora Roberts

O Hotel das Recordações
(Trilogia Hotel das Recordações #1)
(Artigo de Opinião)



Autora: Nora Roberts
Título Original: The Next Always (2010)
Tradução: Isabel C. Penteado
ISBN: 978-989-710-262-2
Nº de páginas: 320
Editora: Chá das Cinco


Sinopse


     O histórico hotel de Boonsboro já viveu tempos de guerra e paz e teve inúmeros donos ao longo do tempo. Agora prepara-se para ser reinaugurado pelos irmãos Montgomery. Beckett, o arquiteto da família, está determinado a finalizar as grandes obras, mas a sua vida atarefada não o desvia de um outro grande objetivo: atrair a atenção da mulher por quem está apaixonado desde a adolescência.

     Depois de perder o marido e regressar à sua terra natal, Clare Brewster cedo se adapta à sua nova vida como mãe de três filhos e gerente da livraria da cidade. Com pouco tempo para uma vida romântica, Clare acaba por ser envolvida nos preparativos do novo hotel e deseja conhecer melhor o homem por trás dele.
     Enquanto não chega o dia da inauguração, Beckett e Clare conhecem-se melhor e sentem a crescer entre eles o início de algo novo… Irá abrir-se nas suas vidas a janela para um futuro juntos?


Este exemplar foi-me gentilmente cedido pela Chá das Cinco em troca de uma opinião sincera

Opinião

      Começo por agradecer à Chá das Cinco pelo gentil envio do livro.

     Por incrível que pareça, "O Hotel das Recordações" foi a minha estreia com a aclamada Nora Roberts, uma escritora com mais de 500 milhões de cópias vendidas em todo o mundo. E, de facto, é fácil perceber o motivo para tal: a fluidez da escrita, as fantásticas descrições pormenorizadas e a atenção aos detalhes, a riqueza em personagens... tudo se alinha para uma leitura rápida, agradável e cativante.

   Adoro a capa do livro - o aspeto antigo da varanda e do edifício enquadram-se perfeitamente na temática da leitura - mas o título acaba por ter pouco destaque quando comparado ao tamanho da letra do nome da autora.

     Os irmãos Montgomery - Beckett, Owen e Ryder - têm a cargo um projeto que está a entusiasmar a pequena vila de Boonsboro: o restauro e a reinauguração do hotel! Empenhado em transformar um edifício que já viu tanto acontecer num espaço turístico que atraia visitantes a Boonsboro, Beckett - arquiteto - divide a sua atenção entre os preparativos do hotel e Clara Brewster - dona de uma pequena livraria e a mulher por quem teve uma paixoneta nos tempos do ensino secundário, sentimentos esses que perduraram, agora mais maduros e consolidados.

     A trama desenrola-se em torno do quotidiano da pacata vila de Boonsboro e dos seus habitantes, entre os afazeres próprios de pessoas que tentam conjugar os seus empregos e as suas obrigações profissionais com o tempo de convívio e partilha com a família e os amigos.

     O hotel tem um papel principal na história - ou não se chamasse o livro "O Hotel das Recordações. Ao longo das páginas, vamos acompanhando o renovar deste espaço, sentindo todo o amor e dedicação que os Montgomery lhe destinam.

     Claro que o livro também tem uma componente romântica - a história amorosa entre o casal principal. Clare é uma mulher viúva e mãe de três crianças, e sente-se algo reticente com a aproximação de Beckett. Com o avançar da trama, assistimos à evolução de uma longa amizade para sentimentos de cariz mais profundo. Gostava que os obstáculos que se impuseram ao casal tivessem sido mais sólidos e chocantes, mas gostei da ternura entre Beckett e os filhos de Clare.

    Não fiquei muito convencida com o vilão da história - achei essa parte previsível e acho que poderia ter sido melhor desenvolvida. O suspense relativo as estas cenas não resultou da melhor maneira, sendo uma parte que, embora não desnecessária, não conseguiu acrescentar nada à história, devido, acima de tudo, à previsibilidade dos acontecimentos.

     A escrita da autora é simples, fluída e agradável, brincando com as emoções das personagens e do leitor. Nora Roberts joga com a vida pessoal e profissional das personagens com mestria, conferindo-lhes um toque humano que origina empatia entre elas e o leitor. Os diálogos estão sempre muito presentes e, juntamente com capítulos curtos, contribuem para a leveza da leitura. Adorei as descrições pormenorizadas dos espaços (principalmente dos quartos) - através delas consegui imaginar-me nesses mesmos espaços e visualizar todos os elementos neles contidos. Esse foi, para mim, o maior ponto positivo do livro! Também gostei do destaque dado à literatura - com a livraria de Clare e os nomes dos quartos do hotel.

      Gostei mais de Clare do que de Beckett - sabemos muito mais sobre o passado dela, sobre o seu quotidiano como mãe de três crianças e sobre as superações exigidas a quem gere um pequeno negócio, do que sobre ele. Os filhos de Clare também acentuam esta desigualdade, pois as cenas protagonizadas por Clare contam frequentemente com a ajuda deste núcleo infantil, que traz alegria e ternura à história.

      São várias as personagens que conhecemos neste primeiro volume e que espero que transitem para os próximos. Já recebemos algumas pistas sobre eventuais pares, para além de começarmos a conhecer a personalidade e o temperamento dos futuros protagonistas.

     Relativamente ao final, a autora optou por seguir deliberadamente uma via mais mística. Apesar de bem contextualizada e de ser algo diferente e engraçada, confesso que não gostei muito da inserção desta vertente sobrenatural pois, a meu ver, contrasta com a solidez da história, que poderia muito bem ser real - as personagens são pessoas comuns, com vidas despretensiosas e tranquilas, mas também com preocupações, problemas e inseguranças.

    Este primeiro volume da trilogia Hotel das Recordações - em que cada livro pode ser lido individualmente, pois focar-se-á num dos irmão Montgomery - foi uma ótima leitura! Num estilo leve e descontraído, com descrições que fazem sonhar, Nora Roberts conquistou-me. Quero acompanhar as personagens que conheci neste primeiro livro e descobrir as surpresas que a autora reservou para Owen em "Último Amor". Gostei!


 Música que aconselho para acompanhar a leitura: Down The Line_John Newman